EFECaracas

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quinta-feira que o governo do país está aberto para receber "todos os observadores internacionais" que queiram acompanhar as eleições presidenciais que serão realizadas no dia 22 de abril, e que dará a eles "todas as garantias necessárias".

"A Venezuela está aberta a dar todas as garantias necessárias e a receber todos os observadores internacionais que queiram vir. Mais que inspecionar, poderão aprender sobre o impecável sistema eleitoral que construímos", informou o governante em mensagem no Twitter.

Ontem, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), anunciou a data das eleições presidenciais, cumprindo o decreto da Assembleia Nacional Constituinte, que ordenou a realização do pleito antes de maio.

A data anunciada pela presidente do CNE, Tibisay Lucena, é a que foi planejada no documento que o governo assegura ter surgido da mesa de diálogo na República Dominicana, mas que a oposição recusa por considerá-lo insuficiente.

O antichavismo buscava nas conversas, entre outras coisas, "melhoras" e "garantias" para as eleições, das quais ainda não decidiu se participará.

Como parte dessas garantias, a oposição pedia uma "observação eleitoral internacional independente" e que as eleições fossem realizadas durante o segundo semestre. Também pediam a habilitação política do ex-candidato à presidência Henrique Capriles e do dirigente em prisão domiciliar Leopoldo López.

O diálogo entre o governo e a oposição terminou ontem sem um acordo e, segundo declarações do presidente dominicano, Danilo Medina, que auxilia essas conversas, entrou em "recesso indefinido".