EFEViena

Mais de 2 milhões de austríacos, o que representa cerca de 23% da população, participaram voluntariamente de uma triagem em massa com testes rápidos que detectaram cerca de 4,2 mil pessoas assintomáticas positivas para o coronavírus, informou o Ministério da Saúde nesta segunda-feira.

Os dados foram divulgados pela pasta quando cinco dos nove estados federais completaram ontem os testes, que começaram no dia 4 deste mês. Duas regiões já os tinham completado na última quarta, enquanto Tirol e Alta Áustria ainda os estão realizando de maneira gratuita.

O ministro da Saúde, Rudolf Anschober, destacou em um comunicado que, graças a esses testes, conseguiu evitar que aqueles 4,2 mil positivos continuassem espalhando o vírus SARS-CoV-2.

"Esse é o verdadeiro objetivo desses testes em massa, para remover o maior número possível de pessoas assintomáticas da cadeia de contágio e assim reduzir a taxa de infecção", explicou o ministro, que afirmou que a triagem tem sido "uma etapa bem sucedida na contenção da pandemia na Áustria".

Os testes voluntários gratuitos serão oferecidos novamente a nível federal de 8 a 10 de janeiro. Contudo, apesar do otimismo do ministro, a participação nos testes deste mês ficou muito aquém das expectativas do governo, que queria o engajamento de 60% da população.

Em todos os estados a participação esteve bastante abaixo desse percentual. Na capital Viena, com 1,8 milhão de habitantes, por exemplo, apenas 13,5% dos habitantes foram testados. Devido a essa baixa participação, o governo austríaco vem considerando diferentes fórmulas para incentivar um maior influxo em janeiro.

A triagem em massa utilizando testes de antígenos foi feita seguindo o exemplo da vizinha Eslováquia e visava detectar o número máximo de positivos antes das reuniões familiares de fim de ano.