EFEViena/Bucareste

Aproximadamente, 440 pessoas, sendo 24 policiais, ficaram feridas numa grande manifestação contra o governo que aconteceu ontem à noite em Bucareste, conforme informações dos serviços de emergência dadas neste sábado.

Ao todo, 65 tiveram que ser internadas. A imprensa romena estima que 110 mil pessoas participaram do protesto de ontem na Praça Victory contra a corrupção. Dezenas de pessoas tentaram romper o cordão policial que protegia a sede do governo e foram contidas com gás lacrimogêneo. A Polícia também usou canhões de água e cassetetes contra os manifestantes.

O próprio presidente do país, o conservador Klaus Iohannis, criticou o "brutal procedimento" da Polícia e exigiu uma explicação da ministra do Interior, Carmen Dan. Segundo ele, a ação da Polícia foi "desproporcional". As autoridades policiais, no entanto, insistiram hoje, durante uma entrevista coletiva, que se tratava de uma "violência legítima contra o Estado" e que os agentes atuaram depois de serem atacados.

Os manifestantes reivindicavam a renúncia da primeira-ministra, Viorica Dancila, e do presidente do Parlamento, Liviu Dragnea. Ele, que é líder do governante Partido Social-democrata da Romênia, é o verdadeiro homem forte do país, mas não pode ser empossado primeiro-ministro porque foi condenado, em 2016, por fraude eleitoral.