EFEBerlim

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, pronunciou-se nesta segunda-feira a favor da manutenção da obrigatoriedade do uso de máscara em espaços públicos onde a distância mínima não pode ser mantida e, assim, respondeu ao debate surgido no último final de semana sobre a suspensão antecipada dessa medida, pelo menos nas lojas.

O porta-voz do Governo, Steffen Seibert, reiterou em uma entrevista coletiva a posição da chanceler e do governo que, em qualquer lugar da vida pública onde a distância mínima não é garantida, "as máscaras são um meio importante e, do ponto de vista atual, essencial para manter baixo o número de infecções".

Ele acrescentou que a máscara serve para proteger a si e aos outros, de modo que "seja no ônibus, no metrô ou no varejo, a ideia é manter a obrigação do uso de máscara", ainda mais agora, nas férias do verão europeu, quando a mobilidade volta a aumentar, enfatizou.

Além disso, observou que muitas pessoas estão viajando e também regiões com um número reduzido de casos do coronavírus estão recebendo pessoas de outras partes do país.

"Essa nova mobilidade vai ser celebrada, torna as nossas vidas mais fáceis e mais bonita, mas deve ser acompanhada pelo cumprimento das regras que nos ajudaram tão bem na luta contra a pandemia nos últimos meses", disse, referindo-se à distância, regras de higiene e uso da máscara.

Na Alemanha, ainda existem cerca de 5,8 mil casos ativos de Covid-19, enquanto o número total de positivos desde o primeiro caso de contágio registrado no país, no final de janeiro, é de 196.554, com 219 novos casos nas últimas 24 horas.

Já o total de vítimas no país é de 9.016 até o momento. EFE

egw/phg