EFECidade do México

O México registrou 2.963 homicídios em maio, que se tornou assim o mês mais violento até agora em 2021 e um dos dez mais sangrentos do mandato do presidente Andrés Manuel López Obrador, segundo informou a Secretaria de Segurança e Proteção ao Cidadão (SSPC) nesta segunda-feira.

O número representa um aumento mensal de 3,57% em relação aos 2.861 assassinatos registrados em abril e uma alta de 1,26% em relação aos 2.926 registrados em maio do ano passado.

Mesmo assim, a ministra titular da SSPC, Rosa Icela Rodríguez, comemorou uma redução anual de 2,9% no número de homicídios dolosos nos primeiros cinco meses do ano.

"A tendência de aumento dos homicídios dolosos continua contida durante o atual governo", disse Rodríguez durante a entrevista coletiva matinal do presidente mexicano.

O México registrou os dois anos mais violentos de sua história nos primeiros dois anos do governo de López Obrador, com 34.682 vítimas de homicídio em 2019 e 34.554 em 2020.

Hoje, a titular da SSPC admitiu ainda que em 2021 houve até agora aumentos de 30% para crimes de estupro, 47% para tráfico de pessoas e 7% para feminicídios.

Rodríguez também mencionou altas de 8% nos crimes contra a saúde (relacionados com drogas), 8,1% nos crimes cometidos por funcionários públicos e 137,7% nos crimes eleitorais, um aumento que se explica pelo de fato de 2021 ser um ano eleitoral no México.

Por outro lado, a ministra ressaltou uma queda de 5,8% até o momento neste ano nos roubos em geral, um crime que diminuiu 22,7% na atual gestão, assim como uma redução de 28,8% nos sequestros em 2021.

"Os crimes (em geral) diminuíram 27,2% de janeiro a maio de 2021, em relação ao mesmo período de 2019, o que representa uma tendência de queda desde o início do governo", frisou.