EFEJacarta

O ministro da Segurança da Indonésia, Wiranto, sofreu um atentado nesta quinta-feira, no oeste da ilha de Java, executado por um homem que o feriu com uma faca, assim como um agente que trabalhava na escolta do político.

Wiranto, de 72 anos - que como muitos indonésios utiliza só o primeiro nome -, e o agente foram levados ao hospital público do distrito de Pandeglang, na província de Banten, segundo o porta-voz da Polícia Nacional, Dedi Prasetyo, confirmou à Agência Efe.

O político foi ferido no abdômen, mas tem estado se saúde considerado estável e não corre risco de morte. O policial, por sua vez, sofreu lesões nas costas.

O agressor e a mulher dele foram detidos, e a polícia suspeita que o casal poderia estar "influenciado pelo radicalismo do Estado Islâmico". A motivação ainda é investigada.

Nas redes sociais foram publicadas imagens que mostram o momento do ataque, que aconteceu quando o ministro descia do veículo oficial para participar da inauguração de uma universidade.

Rapidamente o autor do atentado foi detido pelas pessoas que rodeavam o político, que é ex-general do exército.

Wiranto foi acusado de violações de direitos humanos durante as revoltas estudantis de 1998 quando era chefe das Forças Armadas e pela escalada da violência no país durante o processo do referendo independentista no Timor Leste em 1999.