EFEGenebra (Suíça)

O número de mortes por covid-19 no planeta, que atualmente é de 4,9 milhões, pode chegar ao dobro em 2022, se não houver uma divisão igualitária das vacinas contra a doença, segundo alertou nesta quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"A quantidade de mortes pode chegar aos 10 milhões no próximo ano, por isso, não vacinar o mundo seria um fracasso. Algo contra nossos interesses e nossa segurança", afirmou Gordon Brown, ex-primeiro-ministro do Reino Unido e embaixador da OMS para o Financiamento Sanitário Mundial, em entrevista coletiva.

O britânico e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, convocaram os países do G20, dias antes da reunião de cúpula que realizarão na semana que vem, pedindo para que aumentem as doações de vacinas para as nações em desenvolvimento, visando alcançar a meta de imunizar 40% da população global até o fim do ano.

"Se os países mais ricos não conseguirem mobilizar doses, estarão cometendo uma irresponsabilidade vergonhosa, poderíamos estar perdendo a última oportunidade de salvar centenas de milhares de vidas", afirmou Brown.

O ex-primeiro-ministro classificou como "inaceitável e trágica" a divisão entre alguns países ricos, que podem acumular, até fevereiro de 2022, cerca de 600 milhões de doses de vacina, inclusive, podendo desperdiçar 100 milhões delas, por falta de uso; e nações pobres, com baixas taxas de imunização e com maior risco de registro de novas ondas de contágio da covid-19.

"Que as vacinas estejam disponíveis em uma metade do mundo e faltem no outro, é um dos maiores fracassos de política internacional imaginável, é uma catástrofe de proporções históricas que irá chocar as gerações futuras", disse Brown.

O britânico indicou que as previsões da OMS indicam que, além das 5 milhões de mortes adicionais em 2022, sem a divisão das vacinas, também são esperadas mais 200 milhões de casos de infecção, diante desse cenário. Atualmente, já foram notificados 240 milhões de positivos no planeta.

"Se isso se cumprir, só vimos a metade do dano que pode causar a pandemia", afirmou o embaixador da OMS.

Brown lamentou que apenas 5% dos adultos estejam vacinados contra a covid-19 na África, por isso, destacou a necessidade de acelerar a divisão igualitária de vacinas.

"A alternativa é impensável: um mundo rachado em duas velocidades, onde a doença se estende em lugares não protegidos e pode ter mutações em novas variantes capazes de infectar, inclusive, os totalmente vacinados", previu o ex-premiê. EFE