EFEQuito

O plenário do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador informou nesta sexta-feira que aprovou a solicitação de mudança de nome do Movimento Força Compromisso Social para Movimento Político Revolução Cidadã, do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017).

Força Compromisso Social era o movimento do ex-ministro Iván Espinel, mas nos últimos anos era apoiado por seguidores de Correa.

As autoridades do órgão eleitoral aprovaram a resolução, baseada no artigo 318 do Código da Democracia, que estabelece que qualquer modificação feita pelas organizações políticas nos documentos apresentados para a inscrição exigirá o registro no CNE para ser totalmente válida.

A organização política realizou a sua Assembleia Nacional no dia 28 de agosto e, entre os pontos discutidos, resolveu aprovar reformas em sua integridade no mais alto instrumento normativo que regula a organização do movimento (Regime Orgânico), que estabelece a mudança de nome.

Após a análise do relatório apresentado pela Coordenação Técnica Nacional de Participação Política e pela Direção Nacional de Organizações Políticas, foi determinado que a organização política estava em conformidade com os processos dos regulamentos em vigor, disse o CNE em comunicado.

Correa foi líder do movimento Aliança País (AP), com o qual governou durante uma década (2007-2017) e do qual se dissociou depois de se distanciar do seu sucessor no poder, o ex-presidente Lenín Moreno.

Em 2018, a CNE negou o registro do movimento sob esse nome, argumentando que Revolução Cidadã fazia parte dos identificadores da então governante AP, que mais tarde deixou de ser mencionada com esses termos.

"Após quatro anos de luta, o CNE reconheceu nesta manhã Revolução Cidadã como um movimento político. A partir de agora somos Revolução Cidadã e entram em vigor nosso nome, símbolos e regime orgânico", escreveu o grupo no Twitter.