EFEGenebra

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou, nesta sexta-feira, 15,8 mil mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, o pior número diário em mais de um ano de pandemia, chegando a 1,97 milhão de vítimas da doença.

Além disso, foram relatados quase 700 mil novos positivos, elevando o número total de casos globais para 91,4 milhões.

De acordo com a OMS, quase metade das mortes na pandemia foram registradas no continente americano (940 mil), enquanto a Europa responde por quase 650 mil, o Sul da Ásia, com 190 mil e o Oriente Médio, com 126 mil.

A África e o leste da Ásia, regiões menos afetadas pela crise sanitária, somam 50 mil e 21 mil mortes, respectivamente.

O continente americano também apresenta mais casos (40 milhões), seguido pela Europa (29 milhões), Sul da Ásia (12 milhões) e Oriente Médio (5,2 milhões).

Os EUA acumulam quase um quarto dos casos do planeta (22 milhões), seguidos pela Índia com 10,5 milhões, Brasil com 8,2 milhões e Rússia com 3,4 milhões.

O Reino Unido vem em seguida com 3,2 milhões de casos, seguido pela França (2,7 milhões), Itália (2,3 milhões) e Espanha (2,1 milhões), cuja curva de contágio diário já mostra uma terceira onda tão virulenta quanto a segunda, no mês de novembro.

Os Estados Unidos também são o país com mais mortes por Covid-19 (381 mil), seguido pelo Brasil (205 mil), Índia (151 mil), México (136 mil), Reino Unido (84 mil), Itália (80 mil), França (68 mil) e Rússia (63 mil).

Os pacientes recuperados no planeta chegam a quase 67 milhões e, dos 24 milhões de casos ativos, 0,5% (111 mil) estão em estado grave ou crítico, segundo dados das redes nacionais de saúde.