EFEJerusalém

Após mais de 13 anos no poder, Bejamin Netanyahu se tornou neste sábado o primeiro-ministro israelense com mais tempo no cargo, após superar os 4.876 dias de governo de David Ben-Gurion, considerado o pai da pátria, que foi o primeiro premiê do recém criado Estado de Israel em 1948.

Em um país que se caracteriza pelos seus vaivéns políticos, Netanyahu conseguiu se manter no poder de maneira ininterrupta desde 2009, somado aos três anos em que foi chefe de Governo entre 1996 e 1999.

Nascido em 21 de outubro de 1949, a sua carreira política começou em 1982 como número dois da delegação diplomática de Israel nos Estados Unidos, de onde passou a ser embaixador nas Nações Unidas.

Em 1988, retornou a Israel e, em uma meteórica ascensão, se tornou aos 46 anos o primeiro-ministro mais jovem da história política nacional.

Terminado o seu primeiro mandato, se afastou da política para se dedicar aos negócios e retornou no final de 2002 como ministro das Relações Exteriores e depois de Finanças.

Nas eleições de 2009, já como líder do Likud, partido que ainda lidera, Netanyahu foi o segundo candidato mais votado, atrás da centrista Tzipi Livni, mas a força do seu bloco direitista lhe permitiu ser o responsável pela formação do novo governo.

Sua ideologia política inclui uma ferrenha defesa do livre mercado, da identidade e maioria judaicas do Estado e a manutenção do status quo em relação a Jerusalém e a ocupação dos territórios palestinos.

A menos de dois meses das eleições do próximo dia 17 de setembro, Netanyahu, que enfrenta diversas acusações de corrupção, tentará um novo mandato para continuar fazendo história.