EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou neste sábado "todo tipo de racismo", em mensagem no Twitter, na véspera de completar um ano das manifestações supremacistas em Charlottesville, na Virgínia, que terminaram com a morte de três pessoas.

"Os distúrbios em Charlottesville há um ano causaram morte e divisão sem sentido. Nós devemos nos unir como nação. Eu condeno todos os tipos de racismo e atos de violência. Paz para TODOS os americanos!", escreveu o presidente americano.

A mensagem de Trump contrasta com as polêmicas declarações que ele fez em 2017, quando disse que a responsabilidade da violência era tanto dos grupos neonazistas quanto dos manifestantes contrários e garantiu que existia gente "muito boa" entre os supremacistas.

Os protestos em Charlottesville, que viraram o símbolo da tensão racial no país, ocorreram em 12 de agosto. Na ocasião, pessoas radicais fizeram uma manifestação na cidade contra a retirada de uma estátua de Robert E. Lee, general escravista. No meio da manifestação, repleta de símbolos neonazistas, um carro atropelou várias cidadãos que faziam um protesto pró-igualdade e Heather Heyer morreu. Outras 19 pessoas ficaram feridas. Depois, dois polícias morreram em um acidente de helicóptero que aconteceu quando as forças de segurança tentavam conter o tumulto.

Neste fim de semana, Charlottesville volta a ser palco de protestos, com a convocação para hoje de uma manifestação de estudantes em uma praça da Universidade da Virgínia, que no ano passado foi tomada pelos supremacistas.

Muitos olhares também se voltam a Washington, onde acontecerá amanhã um protesto da extrema-direita, que no ano passado acabou em tragédia em Charlottesville. Os neonazistas planejam se manifestar em frente à Casa Branca; enquanto, não muito longe dali, uma coalizão de grupos progressistas convocou outra protesto, mas este de combate ao racismo.