EFECristina Cabrejas, Roma

As autoridades da Itália já confirmaram duas mortes e a propagação do novo coronavírus, que infectou pelo menos 60 pessoas nas regiões de Lombardia, Veneto, Emilia Romagna e um caso no Piemonte, no norte do país, e a expectativa é que esses números aumentem.

O Ministério da Saúde excluiu a hipótese de que a primeira infecção tivesse acontecido através de um italiano que voltou da China no dia 21 de janeiro, como inicialmente se acreditava.

Por enquanto, as aproximadamente 60 mil pessoas isoladas em 11 localidades, dez na Lombardia e uma no Veneto, foram convidadas a não deixar suas casas, as lojas foram ordenadas a fechar, as atividades públicas foram suspensas, e os trens não param nesses locais.

O governo e a Proteção Civil têm se reunido o dia todo para considerar novas medidas para evitar que a epidemia se espalhe ainda mais.

CONTÁGIO SE ESTENDE A PIAMONTE, E SURGE CASO EM MILÃO.

O presidente da região da Lombardia, Attilio Fontana, informou que foram registrados 46 casos, incluindo um homem de 78 anos de idade de Sesto San Giovanni, nos arredores de Milão, que está no hospital San Raffaele, na capital lombarda. Seria o primeiro caso a ocorrer perto da cidade, já que o restante tinha ocorrido na província de Lodi.

Durante o dia foi explicado pelas autoridades que os primeiros seis casos foram os que tiveram contato com o chamado "paciente 1", um homem de 38 anos do Codogno, na província de Lodi, que está em estado grave.

Entre os primeiros infectados estão a sua esposa, grávida de oito meses, um amigo com quem costumava sair para se exercitar, e o pai deste último, de acordo com uma reconstituição feita a partir da região da Lombardia.

Além disso, também foi registrada a primeira infecção de um italiano de 40 anos na região do Piemonte. Ele está hospitalizado em Turim. E, assim, os casos de contaminação se espalharam para outra região do norte da Itália.

Na Lombardia, foram realizados 259 testes nas últimas horas para localizar o contágio. Outros serão feitos nos próximos dias, e espera-se que o número de casos aumente, segundo as autoridades.

Entre os contagiados há uma mulher de 38 anos que foi internada no hospital de Cremona com problemas respiratórios. Ela se infectou ao ter contato com pessoas do Codogno, epicentro do surto em território italiano.

O secretário de Bem-Estar da Lombardia, Giulio Gallera, confirmou que um casal de médicos que trabalha perto do Codogno também foi infectado. Ele divulgou ainda que a segunda vítima é uma mulher de 77 anos que estava na mesma comuna e morreu na última quinta por complicações respiratórias. Um teste após a morte deu positivo para o vírus misterioso.

No Veneto há 11 infectados, muitos familiares ou amigos próximos do homem de 78 anos que morreu nesta sexta por COVID-19 na cidade de Vo' Euganeo. Três outros foram infectados e estão em Piacenza, em Emilia Romagna.

CIDADES FANTASMAS.

O surto causa um estado de isolamento com a recomendação de não sair de casa e o fechamento de todas as lojas, assim como o cancelamento de todas as atividades esportivas, eventos públicos e o fechamento de escolas, em dez locais da província de Lodi, na região da Lombardia, onde o primeiro caso do homem de 38 anos, que se encontra em estado grave, foi registado esta sexta-feira.

Entre os eventos que não poderão ser realizados neste fim de semana, estão três jogos pelo Campeonato Italiano: entre Inter de Milão e Sampdoria, entre Atalanta e Sassuolo e entre Verona e Cagliari.

Vo' Euganeo na província de Padova, com uma população de cerca de 4 mil habitantes, também foi colocada em isolamento após os sete casos. A comuna de Pavia também suspendeu as suas festas de carnaval programadas, e a região do Veneto ordenou o fechamento das universidades durante toda a próxima semana.

Também estão isolados os pacientes e os trabalhadores da área de saúde - cerca de 450 pessoas - do hospital de Schiavonia, em Padova, onde alguns casos foram registrados.

INFECTADOS EM ROMA SÃO CURADOS.

Uma boa notícia veio do hospital Spallanzzani de Roma, que declarou curadas duas das três pessoas internadas há várias semanas: um casal de turistas chineses que tinha dado positivo no teste e um investigador italiano retirado de Wuhan.

O pesquisador terá alta hoje, enquanto o homem chinês também foi declarado negativo para o coronavírus após o tratamento, enquanto sua esposa está evoluindo favoravelmente e respirando sem a ajuda de aparelhos.

QUAL A ORIGEM DO CONTÁGIO?

A prioridade das autoridades é saber a origem do surto, já que é estranho que todas essas infecções sejam causadas pelo caso de um italiano de 38 anos que, como se acreditava inicialmente, teria sido infectado enquanto jantava com um amigo que tinha estado na China e voltado à Itália em 21 de janeiro.

O vice-ministro da Saúde, Pierpaolo Sileri, confirmou que o suposto "paciente zero" que teria contaminado o amigo depois de regressar da China nunca teve o vírus.

"A partir dos testes que fizemos, podemos assegurar que ele não desenvolveu os anticorpos para o vírus e, portanto, não o teve", afirmou Sileri. E, além do contágio na Lombardia, ainda há casos no Veneto que não tiveram contato algum com essa pessoa.

A imprensa noticiou que uma pequena comunidade chinesa na aldeia de Vo' Euganeo, de onde veio a primeira vítima, está sendo investigada.