EFENova York

O Parlamento de Nova York eliminou nesta quinta-feira a isenção religiosa que permitia aos nova-iorquinos não se vacinar embasados em motivos religiosos, em resposta ao atual surto de sarampo no estado, que afeta principalmente uma comunidade de ultraortodoxos judeus.

O senador Brad Hoylman, que apoiou a reforma da lei que elimina a isenção religiosa, afirmou que, com a aprovação, as duas câmaras legislativas "protegem o vulnerável e defendem a ciência".

"Esta lei salvará vidas", disse, por sua vez, o legislador Jeff Dinowitz, depois de a nova legislação ter sido aprovada no Congresso por 77 votos a favor e 55 contra.

Em 30 de maio, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês), informaram que os casos de sarampo nos Estados Unidos continuam aumentando e já chegam a 971 neste ano, o maior número no país em 27 anos.

A cidade de Nova York é uma das zonas mais afetadas, com 550 casos reportados desde setembro do ano passado, especialmente no Brooklyn e no Queens, onde mais de 25 mil crianças e adolescentes foram vacinados.

No caso do estado de Nova York, os dois focos se concentram em comunidades judaicas ultraortodoxas, uma no distrito do Brooklyn e outra no condado de Rockland, nos arredores da cidade. Entre essas comunidades do Brooklyn existe um debate entre os que defendem as vacinas e que rejeitam.

As autoridades já fecharam sete escolas judaicas neste bairro por descumprirem a ordem de não aceitar crianças não imunizadas, uma decisão tomada para tentar conter a expansão da doença.

Em 9 de abril, foi declarado o estado de emergência nas zonas onde se concentram os casos em Nova York e emitido uma ordem para que adultos e crianças com mais de 6 anos se vacinassem em um período de 48 horas. A Secretaria de Saúde advertiu quem resistisse poderia ser multado em até US$ 1.000.