EFEGonzalo Domínguez Loeda, Caracas

Filial da petrolífera estatal venezuelana nos Estados Unidos, a Citgo Petroleum Corporation dominou o cenário político do país nos últimos dias e se tornou o centro de uma disputa entre Nicolás Maduro, apoiado pelo Tribunal Supremo de Justiça, e Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino.

A empresa é um dos ativos mais valiosos do governo da Venezuela, especialmente depois da queda da produção da PDSVA. Segundo dados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a estatal está extraindo 1,13 milhão de barris diários, apenas um terço do que já chegou a produzir no auge do chavismo.

O QUE É A CITGO?

A Citgo é uma empresa fundada em 1910. Em 1986, a PDSVA adquiriu 50% da empresa. Em 1990, comprou a outra metade.

QUAL A CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DA CITGO?

Segundo o último relatório disponível da empresa, a Citgo possui e opera três refinarias de alta complexidade, nas quais são produzidas 749 mil barris de petróleo por dia.

DE ONDE VEM O PETRÓLEO REFINADO PELA CITGO?

Dos 749 mil barris, 200 mil são de petróleo venezuelano. Outros 425 mil são processados na refinaria de Lake Charles, na Louisiana, 167 mil em Lemont, no Illinois, e 157 mil em Corpus Christi, no Texas.

QUAL A RECEITA DA CITGO?

Em 2016, último ano em que os dados estão disponíveis, a empresa teve um faturamento de US$ 33,9 bilhões. A Citgo tem 3,4 mil empregados contratados de forma direta e 2,1 mil funcionários indiretos.

COMO A CITGO É FILIAL DA PDVSA, QUEM NOMEIA SUA DIREÇÃO?

A direção é nomeada por decreto da presidência. É neste ponto que começa a disputa política na Venezuela, aberta desde que Guaidó se autoproclamou presidente do país em janeiro deste ano.

QUEM FAZ PARTE DA ATUAL DIRETORIA?

A atual diretoria foi nomeada no dia 22 de outubro de 2018 por Nicolás Maduro e é composta por 14 pessoas. No entanto, a Assembleia Nacional da Venezuela, controlado pela oposição e presidido por Guaidó, nomeou uma diretoria alternativa na última quinta-feira.

COMO MADURO REAGIU?

O procurador-geral da Venezuela, o chavista Tareq William Saab, anunciou ontem que abriu uma investigação contra a direção designada pela Assembleia Nacional para controlar a PDSVA e a Citgo. Horas depois, o Tribunal Supremo de Justiça proibiu que os diretores indicados pela oposição de deixarem o país.

O QUE OS ESTADOS UNIDOS, QUE RECONHECEM GUAIDÓ COMO PRESIDENTE INTERINO, FIZERAM NO CASO?

Os Estados Unidos bloquearam todos os ativos da PDVSA sob a jurisdição no país com o objetivo de liberá-los apenas para um novo governo, após Maduro deixar o poder.

As sanções afetam US$ 7 bilhões da PDSVA, segundo o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, que previu que as medidas tomadas pela Casa Branca ainda provocarão outros US$ 11 bilhões em perdas para a petrolífera estatal ao longo do próximo ano.

COMO MADURO REAGIU?

O ministro de Petróleo e presidente da PDVSA, Manuel Quevedo, foi à Índia para fortalecer a cooperação e driblar as sanções americanas, ampliando as exportações para o país.

E GUAIDÓ?

O embaixador nos EUA indicado por Guaidó, Carlos Vecchio, disse que é preciso garantir que a operação da Citgo no território americano seja mantida sem mudanças.