EFEGenebra

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, reconheceu nesta sexta-feira que os novos dados de eficácia da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela empresa alemã CureVac - de 47% - são "decepcionantes", mas ressaltou que nem todas as pesquisas são bem-sucedidas e incentivou a realização de novos testes.

"Os resultados estão abaixo do patamar de 50% que estabelecemos, por isso são decepcionantes", admitiu a especialista indiana em uma entrevista coletiva, observando que foi especialmente surpreendente pelo fato de outras vacinas com a nova tecnologia de RNA mensageiro, como as da Pfizer e da Moderna, terem obtido sucesso.

"Isso nos alerta para algo importante, que no desenvolvimento de vacinas nem todas vão ter resultados iguais, e não podemos presumir que todas as vacinas de RNA mensageiro vão responder da mesma forma", comentou a representante da OMS.

Após lembrar que inicialmente a vacina CureVac oferecia certas vantagens, como o fato de poder ser armazenada sem a necessidade de temperaturas muito baixas, Swaminathan ressaltou que os resultados decepcionantes "são normais".

"Na verdade, temos a sorte de ter tantas vacinas bem-sucedidas", frisou a especialista, referindo-se às mais de dez empresas farmacêuticas que já estão distribuindo suas doses em todo o mundo.

"Devemos continuar apoiando a pesquisa de vacinas candidatas, principalmente as mais fáceis de usar", concluiu, pedindo que sejam priorizadas as que são fáceis de armazenar, as que podem ser administradas em dose única ou as que permitem administração via oral.