EFENações Unidas

A ONU evitou classificar nesta terça-feira como "golpe de Estado" a saída de Evo Morales da presidência da Bolívia, e apontou que existe preocupação profunda pela situação que o país atravessa neste momento.

"Não é uma situação que cabe a nós definir", afirmou Farhan Haq, um porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em entrevista coletiva.

Para Haq, as circunstâncias na Bolívia são "fluídas", mas garantiu que a ONU está fazendo esforços para que a crise política não piore ainda mais.

"Estamos mantendo contato com interlocutores nacionais e internacionais para ajudar a acalmar a situação", disse o porta-voz.

"O mais importante agora é prevenir um agravamento e fazer todas as medidas para criar condições para eleições pacíficas, críveis, transparentes e inclusivas antes do possível", completou.

As declarações da ONU são divulgadas pouco depois da chegada de Morales ao México nesta terça-feira. O agora ex-presidente, ao renunciar do cargo, no domingo, denunciou ter sofrido um golpe de Estado.

No domingo, Morales havia anunciado a repetição das eleições presidenciais depois que a Organização dos Estados Americanos (OEA) divulgou inúmeras irregularidades no pleito de 20 de outubro. EFE

hc/bg