EFERedação Central

Um estudo da Universidade McMaster, no Canadá, descobriu um novo grupo de antibiótico que combate de forma inovadora as bactérias e que poderiam ser muito úteis para combater a resistência destes microrganismos.

A pesquisa, publicada nesta quarta-feira na revista Nature, revelou que os macrólidos recém-descobertos e a complestatina menos conhecida têm uma forma única de matar bactérias, ao bloquear a ação produzida na parede celular destes seres.

Segundo explicou Beth Culp, doutoranda em bioquímica e ciências biomédicas da Universidade McMaster, as bactérias têm uma parede no entorno das suas células, que dá forma a elas e são uma fonte de fortaleza.

Antibióticos, como a penicilina, matam as bactérias para evitar a construção dessa parede, enquanto os recém-descobertos evitam que essa parede se rompa.

Estes novos medicamentos são provenientes da família dos glucopéptidos, que são produzidos pelas bactérias da terra.

Os pesquisadores confirmaram que a parede bacteriana era o local de ação destes novos antibióticos, utilizando técnicas de imagens celulares, em colaboração com o professor Yves Brun e a equipe de colaboradores dele na Universidade de Montreal, no Canadá.

"Esse enfoque pode ser aplicado a outros antibióticos e nos ajuda a descobrir novos com diferentes mecanismos de ação. Encontramos um antibiótico completamente novo neste estudo, mas desde então, temos encontrado outros da mesma família que funcionam com o mesmo mecanismo", adisse Culp.

O estudo ainda apontou que, em ratos, estes novos antibióticos podem bloquear as infecções causadas pelo Staphylococcus aureus, que é uma bactéria resistente aos medicamentos e que provoca infecções graves. EFE

ln-rc/bg