EFEMoscou

Os presidentes do Irã, Hassan Rohani, e da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o líder palestino, Mahmoud Abbas, participação em 23 de setembro em Moscou da inauguração da maior mesquita da Europa.

O Kremlin informou nesta sexta-feira que o presidente russo, Vladimir Putin, os convidou pessoalmente à cerimônia que acontecerá na capital russa, após a qual manterão reuniões bilaterais.

Segundo informou à Agência Efe o Conselho de Muftís da Rússia, Putin presidirá na quarta-feira o ato de abertura da Grande Mesquita de Moscou, que terá lugar para mais de 10 mil fiéis.

A mesquita, que terá mais de 18 mil metros quadrados de superfície e uma altura comparável à de um edifício de seis andares, abrirá suas portas por ocasião da Festa do Sacrifício (Eid-al Adha ou Kurban Bayram).

O templo foi levantado sobre os restos de uma antiga mesquita construída em 1904 e que já se encontrava em estado ruinoso.

Moscou é depois de Paris a segunda cidade da Europa com mais muçulmanos, com um milhão e meio, entre residentes e imigrantes do Cáucaso e Ásia Central.

Na Rússia vivem cerca de 23 milhões de muçulmanos, segundo o Conselho dos Muftís, em sua maioria em Moscou, no Cáucaso Norte e nas repúblicas de Tartária e Bashkiria.

Devido a seus altos índices de natalidade, o número de muçulmanos neste país não deixou de crescer desde a queda da União Soviética em 1991.

No entanto, Putin, um confesso crente cristão ortodoxo, deixou bem claro que a Rússia é um país laico e cortou pela raiz qualquer tentativa, por exemplo, que as meninas muçulmanas usem véu nas escolas.