EFEMoscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira que os Estados Unidos têm "certa responsabilidade" no caso do desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi, de quem não se tem notícias desde o dia 2 de outubro, quando entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul para obter alguns documentos.

"Ele vivia nos EUA. Não na Rússia, mas nos EUA. Nesse sentido, os EUA têm certa responsabilidade pelo que aconteceu. É algo que está subentendido", afirmou Putin durante seu discurso no fórum Valdai, em Sochi.

O presidente russo destacou que o jornalista, que defendeu a liberdade no mundo árabe em seu último artigo publicado pelo jornal "The Washington Post", "escolheu os EUA como refúgio quando procurou asilo político".

No entanto, Putin disse que antes de tirar conclusões precipitadas é preciso saber o que ocorreu de fato com Khashoggi, que, segundo veículos de imprensa turcos e americanos, morreu durante um interrogatório no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

"Pelo que se sabe, ele pertencia à elite saudita. De uma forma ou de outra, estava ligado aos círculos de poder. É difícil dizer o que aconteceu. Vamos tomar medidas para estragar as relações (com a Arábia Saudita)? Se alguém sabe o que aconteceu, espero que apresente provas", afirmou.

O líder russo, que ressaltou que Moscou tem "boas relações" há anos com Riad, destacou que é importante "esperar os resultados da investigação", e lembrou que a Rússia também foi acusada de lançar ataques com armas químicas e sofreu sanções internacionais "sem provas".

"Dizem que o assassinato ocorreu em Istambul, mas não apresentaram provas. Não sabemos o que aconteceu realmente", explicou Putin, que pediu a elaboração de regras únicas para todos em casos como o do envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e o de Jamal Khashoggi.

Até o momento, Riad negou qualquer envolvimento no desaparecimento do jornalista, enquanto a Turquia inspecionou na última segunda-feira o consulado saudita em Istambul em busca de provas.

Enquanto o caso gerou uma onda de críticas contra a Arábia Saudita, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse hoje que acredita que no final desta semana será revelada a verdade sobre o que aconteceu com Khashoggi.