EFEMoscou

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, supervisionou nesta sexta-feira as maiores manobras militares do país, chamadas Cáucaso-2020, das quais também participam tropas de China e Irã, entre outros países.

Putin está supervisionando os exercícios no complexo militar de Kapustin Yar, na região de Astrakhan, banhada pelo Mar Cáspio.

Valeri Gerasimov, chefe do Estado-Maior do Exército russo, mostrou a Putin o veículo de apoio e combate Terminator, que tem quatro lançadores de mísseis Ataka.

Os exercícios, que a Ucrânia considera uma ameaça à sua segurança, também contaram com a estreia do lançador de mísseis TOS-2, que foi mostrado em público pela primeira vez neste ano no desfile militar pelo Dia da Vitória.

Os sistemas antiaéreos S-400 e as baterias de mísseis táticos Iskander também entraram em ação, enquanto os fuzileiros russos desembarcaram na costa do Daguestão, no Mar Cáspio.

Acompanhado pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigou, o chefe do Kremlin presenciou o voo dos helicópteros Mi-24, Mi-8 e Mi-26 e conferiu operações de mais de mil soldados aerotransportados.

Além das 80 aeronaves, os bombardeiros estratégicos Tu-22 realizaram vários ataques contra alvos no solo durante os exercícios.

Hoje, as forças especiais do Paquistão, convidadas para as manobras junto com as de Belarus, Armênia e Mianmar, China e Irã também participaram, enviando mais de mil soldados.

No total, quase 80 mil pessoas estão participando dos exercícios terrestres, aéreos e marítimos - incluindo soldados, guardas nacionais e tropas de emergência - que são acompanhados por 70 adidos militares estrangeiros.

Por sua vez, a Otan manifestou preocupação com a realização de manobras em território de Belarus, coincidindo com protestos contra o governo do país.

Já o Ministério da Defesa russo anunciou que as tropas do país começaram hoje a deixar o território bielorrusso por via ferroviária. EFE

io/id

(foto)