EFEBruxelas

O presidente da Comissão Europeia (CE), Jean-Claude Juncker, ressaltou neste sábado que a queda do muro de Berlim, ocorrida há exatos 30 anos, marcou o início de uma nova era para a Europa e a política mundial.

"A queda do muro de Berlim foi um marco para a política mundial e o início de um novo capítulo, tanto para o continente europeu como para mim", escreveu o político luxemburguês no Twitter no dia em que é comemorado o trigésimo aniversario desse acontecimiento histórico.

Juncker acrescentou que os alemães que participaram do processo "arriscaram sua própria liberdade para conseguir a liberdade para todos".

"Sua valentia derrubou muros, sua união inspirou a Europa e o mundo, e sua revolução pacífica mudou o curso da História para sempre. As pessoas curaram um continente europeu dividido pela guerra, e reconciliaram a História da Europa com sua geografia", destacou.

Em um comunicado, Juncker disse ainda que aqueles que derrubaram o muro, "em vez de sofrerem com a História, fizeram História".

"Graças a eles, uma geração inteira de homens e mulheres jovens europeus só viveu paz e liberdade desde então", frisou.

"Podemos viajar, viver e encontrar amor através das fronteiras", acrescentou.

Juncker afirmou também que é uma missão para todos os europeus hoje "defender uma sociedade livre e democrática" no Velho Continente, "com tanta determinação como as pessoas tiveram na época".

No âmbito pessoal, Juncker lembrou que 9 de novembro de 1989 é uma data que jamais esquecerá porque foi quando despertou de um coma de três semanas "após um grave acidente de carro" e pôde ver pela televisión a queda do muro.

"O sentimento foi indescritível", contou. EFE

jug/id