EFECartum

O grupo rebelde Movimento Popular de Libertação do Sudão/Norte (MPLS-N) anunciou nesta quarta-feira um cessar-fogo unilateral por três meses nos estados de Cordofão do Sul e Nilo Azul, no sul do país, uma semana depois que a junta militar que governa em Cartum adotou uma medida similar.

"Anuncio o fim das hostilidades de forma unilateral em todas as regiões sob domínio do movimento", afirmou o líder do MPLS-N, Abdelaziz Adam al Hilu, em comunicado.

O período do cessar-fogo começou hoje e termina em 31 de julho, garantiu Hilu.

O líder rebelde destacou que esse passo é uma "iniciativa de boas intenções" para conseguir uma solução pacífica para a crise sudanesa e dar uma oportunidade à junta militar para que entregue o poder a uma autoridade civil de forma imediata.

Hilu pediu a todas suas unidades que aceitem o anúncio e suspendam todas as hostilidades, exceto em casos de autodefesa.

O Movimento Popular de Libertação se dividiu em março de 2018 em dois braços, um sob a liderança de Malik Agar e outro liderado por Hilu.

Os rebeldes da região de Cordofão, no sul do Sudão, se rebelaram contra o governo de Omar al Bashir em 2011, em um conflito de baixa intensidade que não terminou.

O anúncio do cessar-fogo acontece uma semana depois que o Exército derrubou Bashir, que vinha sendo contestado por uma onda de grandes protestos populares.

No mesmo dia da deposição do agora ex-presidente, 11 de abril, o Exército decretou um cessar-fogo indefinido em todos as frentes abertas no país.