EFEMoscou

A Rússia acusou nesta quinta-feira três diplomatas americanos credenciados em Moscou de tentarem entrar em uma área de acesso restrito no noroeste do país onde há uma base e outras instalações militares.

"Quando os oficiais americanos chegaram lá e foram detidos na estação por uma patrulha policial que explicou que eles estavam em uma área de acesso regulamentado", disse na entrevista coletiva semanal a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

De acordo com a porta-voz, eles não tinham autorização para estar lá "e não podiam tê-la porque não tinham solicitado". Os americanos foram aconselhados a retornar no mesmo trem que usaram para chegar ao local.

O incidente aconteceu na segunda-feira, em Severodvinsk, em uma base naval. No dia 8 de agosto, nos arredores da mesma instalação aconteceu um acidente durante o teste de um míssil com elementos de propulsão nuclear que deixou pelo menos cinco mortos e provocou um rápido aumento nos níveis de radioatividade.

Segundo Zakharova, os diplomatas, que a imprensa russa identificou como adidos militares da embaixada dos EUA, tinham solicitado ao Ministério da Defesa da Rússia permissão para viajar para a cidade de Arkhangelsk, capital da região de mesmo nome, "e não além".

"Em vez disso, chegaram em um automóvel alugado com placa russa a Severodvinsk. Lá, pegaram um trem para uma cidade onde se encontra uma base de testes e outras instalações da Defesa", acrescentou a porta-voz.

O Ministério das Relações Exteriores russo anunciou que ainda apresentará as correspondentes notas de protesto à delegação diplomática americana.