EFEJacarta

As autoridades da Indonésia confirmaram neste sábado que subiu para 387 o número de mortos, 13.688 os feridos e 387.067 os deslocados pelo terremoto de magnitude 6,9 que castigou a ilha de Lombok, no último 5.

O porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, sigla em indonésio), Sutopo Purwo Nugroho, alertou em comunicado que o número de mortos aumentará, pois ainda falta localizar as vítimas soterradas nos edifícios destruídos pelos deslizamentos de terra.

A região norte de Lombok, onde foi localizado o epicentro, é a mais afetada com 334 mortes, seguida de Lombok Ocidental, com 30; Lombok Oriental, com 10; Mataram, com 9; Lombok Central, com 2; e Dempassar, com 2.

Sutopo disse no comunicado que as condições no terreno ainda apresentam "muitos problemas", como vítimas que não foram evacuadas ou refugiados que não recebem atendimento adequado, sem contar com a continuação de tremores secundários.

Centenas de ONGs e organizações comunitárias cooperam em Lombok na assistência dos afetados.

Lombok sofreu mais de 451 réplicas desde o terremoto de magnitude 6,9 de domingo, algumas delas fortes, como a de magnitude 5,9 que sacudiu a ilha na última quinta-feira.

A Indonésia está localizada no chamado Círculo de Fogo do Pacífico, uma região de grande atividade sísmica e vulcânica na qual, a cada ano, são registrados cerca de 7 mil terremotos, a maioria moderados.