EFESantiago (Chile)

A Corporação Nacional Florestal (Conaf) do Chile informou nesta quarta-feira que há 29 focos de incêndios ativos no sul do Chile e quatro alertas vermelhos decretados em duas regiões.

O balanço em nível nacional indica que as cidades de Chile Chico e Cochrane na região de Aisén, e as de Futaleufú e Ancud na região de Los Lagos são onde atualmente estão decretados os alertas máximos.

A Conaf explicou que atualmente há 45 incêndios controlados e oito extintos da região de Maule, a 200 quilômetros de Santiago, até o sul em todas as regiões, exceto Magallanes.

Para combater esses incêndios, a Conaf mobilizou mais de 2.800 brigadistas, 22 aviões e 32 helicópteros que estão sendo acompanhados por membros dos bombeiros, do Exército, da Marinha e dos Carabineiros.

O Escritório Nacional de Emergência (Onemi) destacou nesta quarta-feira que a maioria dos incêndios ativos se encontram nas regiões de Bio-Bío, Araucanía e Los Ríos, onde foi decretado o Estado de Exceção Constitucional por Catástrofe em 5 de fevereiro. Mais ao sul, na região de Los Lagos, a situação é mais crítica, e já são 1.118 os hectares consumidos pelas chamas.

O órgão contabilizou até o momento nos incêndios do sul do Chile três mortos, 54 afetados e 15 lesionados, além de 32 imóveis destruídos e a necessidade de abrigar 18 cidadãos.

Nesta quarta-feira o ministro do Interior, Andrés Chadwick, sobrevoou as zonas afetadas pelo fogo na região de Araucanía e presenciou as missões de reabastecimento e recarga de um dos dois grandes aviões "TenTanker" que foram enviados dos Estados Unidos para ajudar no combate aos incêndios.

De acordo com dados do governo, desde dezembro os incêndios florestais afetaram 41.742 hectares, 39% a mais o mesmo período no ano passado, enquanto a quantidade de acidentes já chega a 4.206, 6% além do registrado em 2017.

No início da semana, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, explicou em entrevista coletiva que o governo aumentou neste ano em 112% os recursos para combater os incêndios.