EFELa Paz

O hospital psiquiátrico Gregorio Pacheco, na cidade de Sucre, na Bolívia, está em emergência após ter relatado pelo menos 14 mortes por Covid-19 e cerca de 100 infecções pelo novo coronavírus, disse o diretor regional de epidemiologia, Jhonny Camacho, à Agência Efe nesta quinta-feira.

Camacho afirmou que é o maior problema já relatado nas instituições de saúde pública da região de Chuquisaca, no sudeste da Bolívia. Segundo ele, os primeiros casos foram relatados há duas semanas e acredita-se que o contágio tenha ocorrido através de funcionários, espalhando-se rapidamente pelas enfermarias do centro médico, que abriga cerca de 350 pacientes.

O diretor de epidemiologia de Chuquisaca também destacou que medidas mais rígidas de biossegurança devem ser ativadas o mais rápido possível. Ele lembrou que a população com deficiências mentais se comporta contrariamente às expectativas convencionais e não aceita o uso de máscaras, desenvolvendo um comportamento agressivo.

Nas instalações do Gregorio Pacheco, os pacientes são distribuídos em enfermarias de acordo com o grau de afetação mental que sofrem, mas o que aconteceu com o novo coronavírus prejudica a todos e, nas palavras de Camacho, está destruindo o hospital.

Algumas das medidas que foram coordenadas incluem o reforço da equipe médica de psiquiatras e enfermeiros, além do pedido de retorno dos funcionários que estão em quarentena há várias semanas. Além disso, foram criados espaços de isolamento.

A Bolívia teve um recorde nacional diário de mortes por Covid-19, com 88, o que elevou o número de vítimas do vírus SARS-CoV-2 no país vizinho a 2.808. O total de contágios desde o começo da pandemia é de 74.534.