EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou neste sábado os manifestantes que protestaram em frente à Casa Branca na sexta-feira, em meio à onda de protestos em todo o país contra a violência policial contra a população negra.

"Os chamados "manifestantes" liderados profissionalmente na Casa Branca tinham pouco a ver com a memória de George Floyd. Estavam lá só para causar problemas. O Serviço Secreto (encarregado da segurança na Casa Branca) lidou facilmente com eles. Nesta noite, pelo que entendi, tem 'Make America Great Again' ('Fazer os EUA grandes novamente', slogan de campanha de Trump) na Casa Branca", escreveu o presidente no Twitter.

Trump afirmou que os participantes dos protestos são "grupos organizados que não têm nada a ver com George Floyd".

Os protestos contra a brutalidade policial se espalharam pelos EUA depois que Floyd, um homem negro, foi morto pela polícia na segunda-feira passada, quando foi detido em Minneapolis, no estado de Minnesota.

De acordo com imagens gravadas por transeuntes, o policial Derek Chauvin asfixiou Floyd até a morte no chão da rua ao se manter ajoelhado sobre o pescoço da vítima por diversos minutos.

Na última noite, em Washington, uma manifestação em frente à Casa Branca, que começou pacífica, resultou em confrontos com policiais e agentes do Serviço Secreto. Pedras e outros objetos foram lançados contra a mansão presidencial.

"Grande trabalho do Serviço Secreto ontem à noite, na Casa Branca. Não só foram completamente profissionais, como também excelentes. Eu estava lá dentro, vi cada movimento, e não podia ter me sentido mais seguro. Deixaram os 'manifestantes' gritarem o que queriam", disse o mandatário na rede social.

"Eram muitos, profissionalmente organizados, mas ninguém chegou perto de pular a cerca. Se chegassem perto, seriam recebidos pelo cães mais agressivos e as armas mais ameaçadoras que eu já vi. Aí que as pessoas teriam ficado realmente machucadas, no mínimo. Muitos agentes do Serviço Secreto estão à espera de ação", completou.

Na mesma sequência de mensagens, Trump criticou a prefeita do Distrito de Colúmbia, Muriel Bowser, "que está sempre à procura de dinheiro e ajuda, mas não deixou a polícia de Washington se envolver". EFE

ssa/vnm