EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quarta-feira, enquanto olhava para o céu, que se considera "o escolhido" para enfrentar a China comercialmente.

"Sou o escolhido. Alguém tem que fazer isso, então estou enfrentando a China no comércio. E, querem saber? Estamos vencendo", declarou Trump aos jornalistas na Casa Branca antes de viajar para o estado do Kentucky.

Logo no momento em que o presidente disse que era o escolhido, levantou a cabeça e olhou para o céu. O conflito comercial com a China já dura mais de um ano e meio, período no qual ambas as potências aplicaram tarifas à outra parte e tomaram medidas para restringir o comércio entre países.

Nas últimas horas, repercutiu bastante uma mensagem de Trump no Twitter, na qual o presidente agradeceu ao comentarista e teórico de extrema-direita Wayne Allyn Root, conhecido por divulgar teorias de conspiração e que chamou o republicano de "rei de Israel".

No tweet, Trump agradeceu ao teórico de extrema-direita por afirmar que "o presidente Trump é o maior presidente para os judeus e para Israel na história do mundo, não só dos EUA, e os judeus de Israel o amam como se ele fosse o rei de Israel".

"Eles o amam como se fosse o segundo Deus enviado. Mas os judeus americanos não o conhecem ou não gostam dele", disse Allyn Root, segundo o presidente americano.

O fato de Trump ter destacado essas palavras reacendeu a polêmica causada por declarações feitas na terça-feira, quando tachou de "desleais" os judeus democratas nos EUA.

"Acho que qualquer judeu que vote nos democratas mostra ou uma falta total de conhecimento ou uma grande deslealdade", declarou o presidente, em resposta a uma pergunta sobre a assistência financeira dos EUA a Israel.