EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta terça-feira para a intensidade do furacão Michael, que - segundo as previsões - tocará terra no noroeste da Flórida amanhã com ventos de 193 km/h, e pediu aos habitantes do estado que se preparem para sua chegada.

"Parece ser (um furacão) de categoria 3, que é ainda mais intenso que Florence", afirmou Trump no Twitter em referência ao ciclone Florence, que em setembro causou a morte de mais de 30 pessoas nos estados de Carolina do Norte, Carolina do Sul e Virgínia, de acordo com dados oficiais.

Além disso, Trump pediu aos cidadãos da Flórida que "sigam as instruções" das autoridades locais e estaduais para que se mantenham a salvo durante o esperado desastre meteorológico.

O furacão, que hoje subiu para categoria 2, ainda mantém uma distância de aproximadamente 535 quilômetros da costa oeste da Flórida e se move a 19 km/h, segundo o boletim mais recente do Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês) dos EUA.

O padrão de trajetória indica que o olho de Michael se deslocará hoje para a parte leste do Golfo do México em direção ao norte e, na quarta-feira, tocará terra na região de "Panhandle" e do "Big Bend", no noroeste do estado, e depois atravessará o sudeste dos EUA com menos força.

Nesse sentido, Trump lamentou que os estados de Carolina do Norte e Carolina do Sul, que foram recentemente atingidos pelo furacão Florence, possam voltar a sofrer as consequências de um ciclone de grande magnitude.

Em entrevista coletiva, o governador de Flórida, Rick Scott, garantiu hoje que Michael "é um ciclone monstruoso, e as previsões indicam que será ainda mais perigoso".

Scott declarou emergência neste fim de semana para 35 dos 67 condados do estado e pediu ao governo nacional que faça o mesmo, para que a Flórida possa receber recursos federais para prestar assistência aos afetados e mitigar os danos.

Em nove condados já foram emitidas ordens de evacuação obrigatória para os moradores das áreas mais baixas e suscetíveis a inundações e, além disso, as autoridades pediram que as pessoas deixem seus lares voluntariamente em partes de outros nove.