EFEBruxelas

O Alto Representante da União Europeia para Assuntos Exteriores, Josep Borrell, afirmou nesta terça-feira que as recentes eleições locais e regionais da Venezuela ocorreram em melhores condições do que pleitos anteriores, embora ainda existam "deficiências estruturais".

"Estas eleições foram organizadas em melhores condições eleitorais em comparação com os processos anteriores, inclusive, devido a um Conselho Nacional Eleitoral renovado, considerado amplamente como o mais equilibrado dos últimos 20 anos", afirmou o espanhol.

Borrell, no entanto, lamentou que houve durante o pleito venezuelano uma "desqualificação política arbitrária" de candidatos.

A missão de observação enviada pela União Europeia nas eleições da Venezuela emitiu nesta terça-feira um comunicado preliminar, em que apontou para "deficiências estruturais", conforme lembrou o próprio Alto Representante.

Além disso, o espanhol indicou que houve acesso desigual permitido aos meios de comunicação e uso desequilibrado dos recursos públicos durante a campanha eleitoral.

O chefe da diplomacia da União Europeia, contudo, destacou que as eleições do último domingo "marcaram a volta da maioria dos partidos políticos e candidatos à arena eleitoral" no país sul-americano.

Borrell afirmou que o bloco comunitário enviou a missão em linha com o compromisso de apoiar uma solução pacífica e democrática para a crise na Venezuela, a partir de um convite feito pelo Conselho Nacional Eleitoral.

O objetivo era realizar uma "avaliação técnica, imparcial e independente de todos os aspectos", explicou o espanhol.

Hoje, Borrell afirmou ainda que a missão de observação da União Europeia seguirá na Venezuela até o fim do processo eleitoral e que, posteriormente, publicará um relatório final, com recomendações de melhoraria para pleitos futuros.

"A União Europeia confia que este trabalho pode contribuir para encontrar uma solução para a crise da Venezuela, facilitando a realização de eleições confiáveis, inclusivas e transparentes, em todos os níveis, no futuro, incluindo o presidencial", disse.

A Venezuela realizou eleições regionais no domingo para escolher 23 governadores, 335 prefeitos, 253 membros dos conselhos legislativos e 2.471 vereadores.

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) informou ontem que dos 23 estados em disputa, 21 têm resultados finais, e em 18 deles o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do presidente Nicolás Maduro, venceu.

O órgão também indicou que o PSUV também levou a melhor nas disputas para prefeito em 205 dos 322 municípios do país onde os resultados da apuração foram definidos. EFE