EFECaracas

A Venezuela começa neste domingo a vacinação em massa contra a poliomielite para mais de 3,1 milhões de crianças menores de cinco anos, com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPS).

"É essencial que todas as crianças na Venezuela estejam imunizadas contra a pólio porque não há cura para esta doença devastadora", disse o representante do Unicef na Venezuela, Hervé de Lys, segundo um comunicado da agência da Organização das Nações Unidas (ONU).

O dia de vacinação, que será organizado pelo Ministério da Saúde do país, conta com mais de 7.000 pontos de imunização e está sendo realizada porque embora em 1994 a América tenha sido certificada "como uma região sem casos de paralisia aguda causada pela poliomielite, o poliovírus selvagem continua sendo uma ameaça potencial se a vacinação for descuidada ou suspensa".

"O bem-estar das crianças da Venezuela está acima da política. O Unicef pede a todas as partes, pais, cuidadores e professores que assegurem que todos os meninos e meninas sejam vacinados", disse a diretora regional da agência para América Latina e Caribe, María Cristina Perceval.

A especialista acrescentou que "proteger as crianças contra esta doença é um imperativo moral".

Segundo o comunicado, o Unicef "adquiriu e forneceu" ao país, antes do início da campanha, "mais de 3,8 milhões de doses de vacina oral contra a poliomielite e 124.479 doses de "vacina inativa" contra esta mesma doença.

A agência também ressaltou que durante este ano forneceu "quase 6,7 milhões de doses da vacina contra difteria e 176 mil doses contra sarampo, caxumba e rubéola, em parceria com aliados em toda a Venezuela".