EFEAlejandro Rincón Moreno, Redação Central

Um vídeo que apontaria para suposta fraude nas eleições da Bolívia, realizadas no último domingo, foi gravado no ano passado, segundo checagem realizada pelo serviço "Efe Verifica", da Agência Efe.

As imagens, que mostram uma caixa de material eleitoral com dezenas de cédulas já marcadas a favor de candidatos do partido Movimento ao Socialismo (MAS), que tem como um dos líderes o ex-presidente Evo Morales, teve mais de 2,8 milhões de visualizações no Facebook.

No Twitter, o vídeo também viralizou, sempre acompanhado de frases acusatórios como "Houve fraude do MAS", "Cédulas eleitorais já preenchidas", entre outras.

A divulgação das imagens começou já durante a recontagem dos votos, que foram totalizadas hoje, com a confirmação da vitória de Luis Arce, justamente do Movimento ao Socialismo, em primeiro turno, com 55,09% dos votos.

Mesmo antes da conclusão dos trabalhos, Arce já era reconhecido como ganhador das eleições por pelo principal concorrente, o ex-presidente Carlos Mesa, pelo governo interino de Jeanine Áñez e por grande parte da comunidade internacional.

Nos 25 segundos da gravação difundida, é possível ver um grupo de pessoas que, supostamente, encontram na rua uma caixa com cédulas eleitorais, todas elas preenchidas em favor do MAS.

Na realidade, o vídeo foi gravado em 2019 e fez parte das várias denúncias apresentadas por organizações sociais depois das eleições que garantiram a Evo Morales o quarto mandato consecutivo. O pleito acabou sendo anulado, posteriormente, e o presidente deposto em um golpe de Estado.

Uma das provas de que as imagens são antigas é que as cédulas de votação gravadas são do pleito anterior e não do realizado no último domingo. Os nomes dos nove candidatos do ano passado e as cores de cada um deles coincidem com a disposição do instrumento de votação de 2019, conforme verificou a Efe.