EFEBrasília

A milhares de quilômetros do Nova York, uma réplica da Estátua da Liberdade de 35 metros de altura está parada há dias sobre um caminhão em um estacionamento de Brasília. A imagem, captada por um fotógrafo da EFE, correu o mundo na última semana.

A Estátua da Liberdade se transformou também em um símbolo da Havan, rede de lojas de departamento inspirada no varejo dos Estados Unidos, que vem crescendo muito no Brasil nos últimos anos.

Por ocasião da inauguração de uma filial em Brasília, a Havan levou até a capital federal uma das réplicas da estátua, hoje fixadas em diversas cidades do país.

As autoridades locais, contudo, proibiram a instalação da estátua de 35 metros, já que esta não cumpre os requisitos do plano diretor de publicidade, que permite estruturas de no máximo 12 metros na região.

A presença da estátua sobre o caminhão chamou a atenção do fotógrafo de Brasília, Joedson Alves, que usou um drone para registrar a imagem.

"No dia que tirei a foto decidi usar o drone para captar melhor a dimensão do ícone publicitário que a loja pretendia afixar. Parei o carro em um dia normal, indo levar meu filhos à escola", contou Alves. "O dono da loja garantiu que conseguiria erguer a estátua antes do dia da inauguração, que foi em 3 de novembro".

A estátua continua sobre o caminhão em frente à loja, embora tenha sido coberta para protegê-la das fortes chuvas que forma registradas em Brasília nos últimos dias.

O proprietário da Havan, Luciano Hang, ganhou protagonismo durante a campanha eleitoral por expressar seu apoio ao presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, que assumirá o poder no dia 1º de janeiro.

Hang chegou a divulgar vídeos em que ameaçava fechar lojas e despedir funcionários se a esquerda vencesse as eleições presidenciais e regressasse ao poder.