EFEViena

O Cazaquistão pediu nesta quinta-feira à Organização para a Cooperação e Segurança na Europa (Osce) desenvolver um conceito de "segurança inclusiva", que consiga superar a "desconfiança existente entre alguns Estados-membros" da organização.

"Acreditamos que há uma necessidade urgente de fazer esforços conjuntos", disse o ministro de Assuntos Exteriores cazaque, Kairat Abrakhmanov, em seu discurso na cúpula ministerial do Osce realizada entre hoje e amanhã em Viena.

Numa alusão aos diversos conflitos que castigam a região da Osce, o chefe da diplomacia cazaque ressaltou que seu país "pode contribuir para a mediação no continente eurasiático".

"À vista da desconfiança existente entre alguns Estados-membros, um diálogo construtivo poderia trazer finalmente uma confiança histórica para nossa comunidade de segurança euroatlântica e eurasiática", concluiu o ministro cazaque.

Abrakhmanov se referiu à crescente desconfiança entre a Rússia e os países ocidentais, sobretudo por causa do conflito do leste da Ucrânia, lamentada no início da cúpula também pelo atual presidente rotativo da Osce, o austríaco Sebastian Kurz.

"Temos que enfrentar decididamente essa tendência (de desconfiança). Só se pode assegurar a segurança na Europa através de mais confiança e mais parceria", disse Kurz.

Apesar destes apelos ao diálogo, o ministro de Exteriores russo, Sergei Lavrov, e seu colega americano, Rex Tillerson, trocaram hoje duras acusações mútuas nos seus respectivos discursos.

Enquanto o ministro russo falou de uma "temerária expansão" da Otan para o leste europeu e criticou a instalação de um escudo antimísseis dos EUA na Europa, o secretário americano acusou Moscou de ser "a origem" da violência na Ucrânia.