EFERedação Central

A situação do coronavírus vai "escalar e piorar" na América até atingir o pico da infecção, provavelmente em um ou dois meses, mas o continente ainda tem uma chance de mitigar o impacto da pandemia, alertou nesta terça-feira a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

"Nas últimas semanas, a pandemia na América se intensificou e tende a piorar, e não a melhorar, como aconteceu em outras regiões do mundo", disse a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, em uma apresentação virtual sobre a evolução da Covid-19 no continente.

Dados da agência indicam que, até o dia 30 de março, o continente havia relatado 163.068 casos confirmados e 2.836 mortes.

A maioria das infecções (86%) e mortes (85%) foi registrada nos Estados Unidos (174.467 casos e 3.416 mortes) "que continuam na fase de aceleração da pandemia", seguidos por Brasil, que hoje registrou mais de 4.600 infectados, Chile (cerca de 2.700) e Equador (mais de 2.200).

PAÍSES CHEGANDO AO LIMITE.

Enquanto foi relatado nesta terça-feira que a Itália atingiu o pico da curva de infecção, e na Espanha estimam que esta fase está próxima, a OPAS observa que, embora seja difícil prever, este ponto na América pode ocorrer em "um ou dois meses".

"Isto dependerá das circunstâncias específicas de cada país e das medidas que tenham tomado em termos de distanciamento social e identificação de casos", disse Ciro Ugarte, diretor do Departamento de Emergências de Saúde da OPAS.

"Alguns já estão começando a mostrar que o controle da doença está chegando ao seu limite, no entanto, ainda vemos que o patamar pode ser estendido além disso, e nas estimativas preliminares estamos falando de um mês ou dois meses", acrescentou.

PROLONGAMENTO DO DISTANCIAMENTO SOCIAL.

Ugarte disse que embora alguns governos tenham fixado para meados de abril a data para suspender ou relaxar o distanciamento social, uma avaliação de risco precisa ser feita em cada país e levar em conta como a doença está se comportando em outras regiões.

"Em países como Estados Unidos e outros da América Latina, estão prolongando esse período, e eu acho que essa é uma medida que eles têm que considerar para reduzir a transmissão", comentou.

Embora muitos países do continente tenham aplicado medidas de distanciamento social, incluindo quarentenas massivas e obrigatórias, governos como os de Estados Unidos, Brasil, México e Canadá têm mostrado resistência devido ao impacto econômico.

A diretora da OPAS disse hoje que, embora "tais medidas possam parecer drásticas", elas são a "única maneira de evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados por muitos doentes em muito pouco tempo".

Etienne pediu para que os países que ainda não se movimentaram as implementem o mais rápido possível e advertiu que, com base na experiência fora da América, parece "prudente planejar tais medidas para pelo menos dois ou três meses".

"Sem provas sólidas de tratamento eficaz e sem uma vacina disponível, o distanciamento social e outras medidas preventivas agressivas continuam a ser a nossa melhor aposta para evitar as consequências mais graves da pandemia", argumentou.

MEDIDAS IMEDIATAS PARA SALVAR VIDAS.

Os números mostram que a região entrou em uma nova fase, com vários países com transmissão comunitária, alertou a diretora da OPAS, que observou, entretanto, que a América ainda tem "uma janela de tempo para poder agir e reduzir a velocidade da propagação do vírus".

Por isso, pediu aos países que tomem medidas urgentes para preparar hospitais e centros de saúde para o que está por vir: "um afluxo de pacientes com Covid-19 que precisarão de espaço hospitalar, leitos, profissionais de saúde e equipamentos médicos".

"A região será capaz de salvar vidas, mas somente se agirmos agora, o que fizermos hoje será decisivo", acrescentou, observando que o coronavírus colocou os sistemas de saúde americanos à prova. A agência está trabalhando com os governos para fortalecer a capacidade de resposta, especialmente em países com recursos limitados.