EFEMadri

Ex-vice-presidente da Espanha e candidato do partido Unidas Podemos nas eleições regionais de Madri, realizadas nesta terça-feira, Pablo Iglesias renunciou a todos os seus cargos e anunciou que deixa a política após o mau resultado da legenda de esquerda no pleito, vencido por larga vantagem pelo Partido Popular (PP), de direita.

Iglesias já havia abandonado o cargo de segundo vice-presidente do governo espanhol, presidido pelo socialista Pedro Sánchez, para concorrer como candidato nestas eleições da comunidade autônoma madrilenha.

"Quando a situação é essa, quando te transformaram em um bode expiatório, quando o seu papel mobiliza o pior dos que odeiam a democracia, tem que tomar decisões. Deixo todos os meus cargos, deixo a política, a política institucional", afirmou Iglesias a jornalistas.

Nas eleições desta terça-feira, o conservador PP dobrou o número de cadeiras no Parlamento regional que havia obtido no pleito anterior, de 2019. Naquela ocasião, ficou com 30 assentos, e agora com 65, superando a soma dos três partidos de esquerda, 24 do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), 24 do Mais Madri e 10 do Unidas Podemos.

O Mais Madri, dirigido por Mónica García e fundado por Íñigo Errejón - um ex-aliado de Iglesias -, foi o grande destaque entre o espectro da esquerda em Madri.

Iglesias, cujo partido, no entanto, conseguiu um melhor resultado do que nas eleições de 2019 - com 7,2% dos votos e dez assentos -, parabenizou o Mais Madri por seu resultado "magnífico" e anunciou que abrirá espaço para novas lideranças e rostos que trabalham na renovação de seu projeto político.