EFEBuenos Aires

A Argentina confirmou nesta quarta-feira que mais 117 pessoas foram diagnosticadas com coronavírus no país, elevando o número total de casos a 502, e as autoridades sanitárias confirmaram o início da transmissão comunitária em Buenos Aires e na região metropolitana.

Ao contrário do que aconteceu desde 5 de março, quando o Ministério da Saúde começou a preparar um relatório diário, pela primeira vez os casos cuja origem não pode ser determinada superam aqueles com um histórico de viagens a uma área considerada de risco.

APENAS 3 VIAJARAM PARA ZONAS DE RISCO.

Especificamente, desses 117 novos casos, apenas três são de pessoas que viajaram para essas áreas, 18 são contatos próximos de casos confirmados e 96 estão sob investigação para determinar o histórico epidemiológico.

O país acrescentou hoje duas pessoas na lista de vítimas de Covid-19, fazendo subir para oito o número de mortes pelo vírus SARS-CoV-2. Isso levou o governo a decidir reforçar os controles sobre o cumprimento da quarentena obrigatória para evitar a propagação da pandemia, tendo em vista o colapso do trânsito pela manhã nos principais pontos de acesso a Buenos Aires.

Uma mulher de 81 anos morreu em um hospital particular na capital argentina, e ontem havia sido confirmado que ela havia contraído coronavírus através de um contato próximo com um homem de 82 anos, que está no hospital depois de um teste positivo após uma viagem aos Estados Unidos. As informações foram passadas à Agência Efe por autoridades de saúde da cidade de Buenos Aires.

Outra mulher, de 73 anos de idade, morreu na cidade de Resistencia, capital da província de Chaco, onde até agora ocorreram três mortes pela doença.

INFECTADOS EM DIVERSAS REGIÕES DO PAÍS.

A maioria das pessoas recentemente afetadas é residente da província de Buenos Aires, com 30 pessoas, 21 delas na capital. Santa Fé, no nordeste do país, vem em segundo lugar nesse ranking, com 22.

"As autoridades sanitárias das províncias estão conduzindo uma investigação epidemiológica dos novos casos confirmados, a fim de detectar contatos próximos para que possam cumprir o isolamento doméstico com o acompanhamento diário estabelecido pelo protocolo", detalhou o Ministério da Saúde.

O governo argentino decretou o isolamento social obrigatório na sexta-feira passada, por isso o país tem a maioria da população confinada às suas casas nos últimos cinco dias.