EFECabul

Pelo menos 20 pessoas morreram e outras 90 ficaram feridas nesta quinta-feira, a maioria civis, em um ataque suicida com um carro-bomba contra um hospital no sul do Afeganistão, segundo último balanço divulgado pelas autoridades.

O atentado ocorreu por volta das 6h (hora local), quando o suicida detonou as bombas que carregava no automóvel próximo a um hospital da cidade de Qalat, capital da província de Zabul, disse o porta-voz do governador da região, Gul Islam Seyal.

Ele afirmou que quatro dos 20 mortos são estudantes e que "praticamente todas as vítimas" são civis, entre elas um bom número de profissionais da saúde, pacientes e moradores das casas próximas.

"Vários dos feridos estão em estado crítico", apontou Seyal.

O porta-voz disse que "a forte explosão aconteceu na porta principal do hospital", e destruiu parte do local, várias casas próximas e a área residencial de uma escola, na qual quatro crianças morreram.

Os feridos foram levados a outros hospitais de Qalat e para a cidade vizinha de Kandahar.

Um porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, reivindicou a autoria do atentado e disse que foi direcionado contra um edifício do Diretório Nacional de Segurança (NDS, sigla em inglês).

"O prédio do NDS na cidade de Qalat, na província de Zabul, foi atacado por um homem-bomba nesta manhã, com o resultado da maior parte do edifício destruído e dezenas de agentes da inteligência mortos ou feridos", disse Mujahid, em sua conta no Twitter.

No entanto, para Seyal, o alvo dos talibãs era o hospital.

"O impacto (da explosão) foi direcionado contra o hospital e apenas uma parede ao redor do prédio do NDS desabou", disse.

O presidente afegão, Ashraf Ghani, condenou o "bárbaro e desumano ataque", ao mesmo tempo que expressou suas condolências aos familiares das vítimas.