EFEManágua

Os nicaraguenses se reuniram na quarta-feira, mais uma vez, para derrubar outra "Árvore da vida", uma estrutura metálica que pesa nove toneladas e que acabou caindo e matando uma pessoas que ficou presa sob os ferros.

Reunidos no Centro Modero de Manágua, centenas de pessoas utilizaram uma máquina de soldar para queimar os parafusos, uma serra metálica de mão e cordas grossas para derrubara a estrutura, a 16ª desde que explodiu a crise no pais há quase um mês.

Nesses momentos de euforia, onde as pessoas estavam concentradas no registro deste momento histórico, uma pessoa - segundo constatou a Agência Efe - morreu ao ficar sob a estrutura metálica, entre 15 e 20 metros de altura, que faz parte de uma "floresta" que começou a "brotar" em meados de 2013 em pontos estratégicos da Nicarágua e que agora são cerca de 140 em todo o país.

Nos primeiros instantes, as pessoas desconheciam que alguém tinha ficado presa e subiram em cima da árvore, como de forma habitual, para protestar contra o governo, até que um grupo avisou do que acontecia, então se retiraram e começaram a levantar a estrutura para tirar a vítima.

Os rostos anestesiados foram reproduzidos entre os presentes ao saber o que tinha acontecido com a vítima, identificada pelo Hospital Vivian Pellas como o cineasta guatemalteco Eduardo Spiegler, de 30 anos.

De acordo com os médicos, o homem faleceu de "uma lesão cerebral traumática, com explosão de massa cefálica, descolamento do membro inferior e trauma múltiplo".

Com formas estilizadas, multicoloridas e iluminadas, estas árvores, de US$ 25 mil cada, estão associados com a Frente Sandinista de Libertação Nacional e existem por iniciativa da vice-presidente e primeira-dama, Rosario Murillo.

Agora elas passaram a ser objeto da ira dos manifestantes que desde que explodiu a crise, há quase um mês, já derrubaram e queimaram 16 dessas estruturas, com o objetivo de protestar contra o governo, embora desta vez tenha custado a vida de uma pessoa.

As enormes decorações foram instaladas perto de monumentos históricos com especial significado político para o partido do governo, como na sombra da figura do herói nicaraguense Augusto César Sandino.

A Nicarágua espera que o diálogo nacional, que será retomado na sexta-feira, encerre uma crise causada por grandes manifestações a favor e contra Ortega, que registrou entre 58 e 65 mortes em quase um mês.