EFEParis

As autoridades da França acreditam que a origem do incêndio que ontem devastou a Catedral de Notre-Dame tenha sido acidental, afirmou o promotor de Paris, Remi Heitz, nesta terça-feira.

"Nada, por enquanto, faz acreditar que tenha sido um ato voluntário", destacou em entrevista à imprensa o promotor, responsável pela investigação.

Heitz explicou que os especialistas terão que fazer constatações no local, mas que não poderão ser realizadas até que entrem no edifício, algo que por enquanto "não é possível porque não é estável".

Segundo Heitz, primeiro aconteceu um alerta às 18h20 local (13h20, em Brasília), mas a constatação de incêndio ocorreu apenas 23 minutos depois. Enquanto isso, as forças de resgate realizavam a evacuação do local.

A Promotoria abriu uma investigação por "destruição involuntária por incêndio".

Nesta terça-feira, o ministro de Cultura francês, Franck Riester, já tinha antecipado que a hipótese mais provável era de um incêndio acidental que parece ter começado em torno da torre da catedral onde ocorriam obras de restauração.

Cinco empresas trabalhavam nessa restauração e as autoridades já começaram a interrogar os funcionários que estavam presentes quando o fogo começou.