EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu nesta quinta-feira reduzir "pela metade" as emissões de gases do efeito estufa até 2030, com o objetivo de atingir a neutralidade do carbono até 2050.

No início da Cúpula de Líderes sobre o Clima, conferência virtual organizada pela Casa Branca com a participação de 40 líderes internacionais, Biden confirmou o plano dos EUA de reduzir suas emissões em 50% a 52% até o final desta década.

"Essas medidas colocarão os Estados Unidos no caminho de se tornar uma economia com emissões líquidas zero até 2050", disse o presidente.

Esse compromisso é o mesmo assumido pela União Europeia (UE), que também planeja alcançar a neutralidade climática em 2050, e mais ambicioso que o da China, que reiterou na cúpula sua intenção de atingir essa meta até 2060.

Quanto à redução das emissões entre 50% e 52% até 2030, em comparação com os níveis de 2005, é uma meta que praticamente dobra a assumida por Washington no Acordo de Paris, que era de reduzi-las entre 26% e 28% em 2025.

A meta americana para 2030 é um pouco inferior à da UE, que na véspera da cúpula chegou a um acordo para reduzir suas emissões líquidas de CO2 em "pelo menos" 55% em 2030, em comparação com o atual objetivo de 40%.

Com seu anúncio e com a organização da cúpula, Biden busca impulsionar novos compromissos de outros países antes da COP26, a cúpula da ONU sobre Clima que o Reino Unido presidirá em novembro.

"Os Estados Unidos representam menos de 15% das emissões mundiais. Nenhum país pode resolver esta crise sozinho", frisou.

O presidente descreveu a luta pelo clima como um "imperativo moral, um imperativo econômico", acrescentando que "realmente não há outra opção" senão ingressar nela.

"A ciência (sobre a crise climática) é inegável. E os custos da inação não param de crescer", alertou Biden.

Antes de Biden falar na cúpula, a vice-presidente americana, Kamala Harris, advertiu que "nenhuma região" do mundo está "imune" aos efeitos da mudança climática e mencionou em particular os furacões Eta e Iota, que no ano passado devastaram a América Central.

Por sua vez, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, destacou o consenso global para agir contra a crise climática, em um mundo onde há "tantas questões" sobre as quais as grandes potências não estão de acordo.

O início da cúpula foi marcado por problemas de áudio, com eco na transmissão do vídeo ao vivo que durou toda a fala de Kamala Harris e parte do discurso de Joe Biden.