EFEWashington

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, conversou por telefone nesta quarta-feira com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre a escalada do conflito entre Israel e Palestina, e disse esperar que a crise acabe "o quanto antes".

Em declarações na Casa Branca, Biden comentou que está esperançoso, "embora Israel tenha o direito de se defender quando recebe milhares de foguetes em seu território".

O mandatário americano afirmou que os responsáveis de Segurança Nacional e Defesa de seu governo estão em contato constante com interlocutores no Oriente Médio, "com todo o mundo, desde os egípcios até sauditas, emiradenses, etc".

Biden destacou que a Casa Branca divulgará em breve um comunicado sobre a conversa com Netanyahu.

Os EUA anunciaram nesta quarta-feira que enviarão ao Oriente Médio o subsecretário adjunto para Assuntos Palestinos e Israelenses do Departamento de Estado, Hady Amr, e pediram a Israel para que faça "todo o possível" para evitar vítimas civis.

Na ONU, os EUA frearam uma possível declaração do Conselho de Segurança em resposta aos choques entre israelenses e palestinos, que foram abordados com urgência e de portas fechadas pelos 15 integrantes do órgão.

Segundo fontes diplomáticas, Washington se opôs a uma proposta apresentada por outros países ao considerar que não sería útil para aliviar a tensão, motivo pelo qual o Conselho de Segurança continua em silêncio sobre a mais recente crise no Oriente Médio.

Israel e as milícias palestinas não mostraram nenhuma contenção nesta quarta-feira, apesar da morte de civis e dos pedidos da comunidade internacional. Pelo contrário, intensificaram os ataques, encaminhando o novo confronto rumo a uma nova guerra.

Os mais de mil foguetes lançados da Faixa de Gaza - a maioria foi interceptada ou falhou - mataram nesta quarta-feira, segundo o serviço médico de emergência voluntário United Hatzalah, uma criança de seis anos, elevanto para sete o número de vítimas em Israel. Em Gaza, 65 palestinos morreram desde a segunda-feira, entre eles 16 menores de idade.