EFEWashington

O democrata Joe Biden, virtual vencedor das eleições presidenciais dos Estados Unidos, anunciou nesta quinta-feira que escolheu como principal assessor econômico Brian Deese, que desempenhou um importante papel na negociação do Acordo de Paris sob o governo de Barack Obama.

A nomeação, que não requer confirmação do Senado, expressa a intenção de Biden de usar a política econômica para o combate à crise climática.

Em comunicado, o presidente eleito disse que Deese é uma "voz em quem se pode confiar" para ajudar os EUA a superarem a atual situação econômica e a construírem uma "melhor economia" que inclua todos, crie empregos bem remunerados e enfrente a "ameaça existencial" das mudanças climáticas.

"Brian é um dos funcionários públicos que mais superou provas e obteve conquistas no país", analisou Biden.

Deese, de 42 anos, trabalha para políticos democratas há quase duas décadas, primeiro aconselhando John Kerry durante a sua campanha presidencial de 2004 contra o ex-presidente George W. Bush, depois trabalhando para Hillary Clinton. Em seguida, colaborou o Barack Obama nas eleições de 2008.

Após a vitória de Obama, Deese se tornou parte da equipe econômica da Casa Branca e, em 2015, o principal assessor em questões de mudanças climáticas e energia.

Durante esse período, desempenhou um papel relevante nas negociações do Acordo de Paris de 2015 e promoveu uma série de regulações destinadas a reduzir a quantidade de emissões causadas pelos setores de eletricidade e transportes, um dos maiores compromissos de Washington contra a crise climática.

No entanto, Deese tem sido criticado por grupos ambientalistas por ter trabalhado nos últimos anos como diretor de sustentabilidade do fundo de investimento americano BlackRock.

A nomeação de Deese passa uma imagem mais clara do que será a equipe econômica de Biden, com Janet Yellen também em papel fundamental como secretária do Tesouro.