EFEMadri

O Campeonato Espanhol, em resposta às declarações da ministra da Saúde espanhola, Carolina Darias, que não considera "recomendável" a presença de público nos estádios nesta temporada, afirmou que trata-se de uma decisão "discriminatória e incoerente" e que espera que seja reconsiderada.

A organização do torneio solicitou a volta do público "segundo a situação sanitária de cada comunidade autônoma, cabendo a elas a decisão final e respeitando todas as medidas oportunas, assim como está ocorrendo até o momento com diversos espetáculos esportivos e de qualquer outro tipo".

Em comunicado, a LaLiga declara que "a solicitação da volta do público aos estádios foi aprovada por unanimidade pela Comissão Executiva da LaLiga, composta por 14 dos 42 clubes que formam a LaLiga, inclusive levando em conta e sendo conscientes de que alguns clubes poderão não ter público, caso sua comunidade autônoma solicite".

Os clubes "consideram que esta situação não afeta a integridade da competição" e que LaLiga "vai tentar fazer com que esta decisão seja reconsiderada de forma urgente, convocando uma reunião com a liga profissional liga profissional de basquete, a ACB, a outra grande prejudicada por esta medida discriminatória e incoerente", conclui a nota.