EFEMadri

O embaixador do Cazaquistão na Espanha, Konstantin Zhigalov, explicou, durante uma conferência realizada em Madri, na Espanha, as amplas reformas democráticas à Constituição da antiga república soviética, que visam suavizar o controle de poder do presidente, em favor de um governo mais descentralizado.

A população cazaque aprovou, em referendo realizado no último dia 5, as reformas propostas pelo presidente Kasim-Yomart Tokáyev, que aumentam as funções do Parlamento e promovem melhorias no sistema partidário e judicial, tornando possível uma maior participação da sociedade civil e na proteção dos direitos humanos.

"Para mim, foi importante contar ao público as recentes reformas do presidente. Mais de 68% do eleitorado participou do referendo e mais de 77% votou a favor das mudanças propostas na Constituição", disse Zhigalov na conferência que teve participação de embaixadores, diplomatas e vários especialistas.

“Também é importante mencionar os laços e as relações entre Cazaquistão e Espanha. As relações agora são muito eficazes", disse o chefe da missão diplomática no país ibérico.

A conferência, intitulada "Uma combinação harmoniosa das reformas políticas e econômicas de grande escala: a base do novo Cazaquistão", foi realizada na Real Sociedade Madrilenha Amigos do País.

Antes da votação do referendo, Tokayev afirmou que a votação decidiria "o destino" do Cazaquistão, além do que, fortaleceria o "rumo para uma total democratização".

Pouco depois da divulgação dos resultados do referendo, a União Europeia saudou o presidente por apresentar as propostas de reformas para reforçar a democracia no país e consultar a população.

Hoje, o professor de História Contemporânea da Universidade CEU San Pablo, na Espanha, José Luis Orella destacou que as reformas aprovadas estão em sintonia com os valores da União Europeia.

"Haverá uma separação de poderes, a partir de uma maior facilidade de pluralidade. Foram muito reduzidas as dificuldades para fundar novos movimentos políticos, novos partidos, assim, haverá uma maior representatividade de mulheres e jovens", explicou.

Além disso, o Cazaquistão ganhou elogios do Ocidente pela promessa de Tokayev de respeitar as sanções impostas contra a Rússia, devido a guerra na Ucrânia.

Além disso, o presidente garantiu que não reconheceria a independência de regiões separatistas pró-russas no leste ucraniano.

No fim da conferência de hoje, Zhigalov anunciou que o Vaticano confirmou que o papa Francisco visitará o Cazaquistão, para participar do sétimo Congresso Mundial de Líderes de Religiões Mundiais e Tradicionais.

O evento está previsto para acontecer em setembro deste ano, na capital do país, Nursultan. EFE