EFEPequim

A China anunciou nesta quinta-feira que o lançamento da espaçonave tripulada Shenzhou-12 foi um sucesso, momentos após a decolagem em Jiuqian, no noroeste do país.

"A descolagem correu de acordo com o plano, e os painéis solares foram devidamente implantados. A missão foi um sucesso completo", declarou o diretor do centro de lançamento de satélites de Jiuqian, Zhang Zhifen, depois de assistir às imagens transmitidas ao vivo pela emissora de televisão estatal "CGTN".

A nave, com os astronautas Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo a bordo, decolou às 9h22 da manhã (22h22 desta quarta-feira em Brasília) movida pelo foguete Longa Marcha-2F.

Segundo a agência chinesa dedicada às missões espaciais tripuladas (CMSA), a Shenzhou-12 está programada para ser acoplada nas próximas horas ao módulo central Tianhe ("Heavenly Harmony" em mandarim), que foi lançado em 29 de abril para controlar a estação espacial Tiangong ("Harmonia Celestial"), que deverá estar pronta no final de 2022.

Os três astronautas serão alojados neste módulo central e permanecerão em órbita por três meses. O trio vai trabalhar para "verificar as principais tecnologias para construir e operar a estação Tiangong", detalhou o vice-diretor da CMSA, Ji Qiming, à imprensa local.

A agência espacial chinesa planeja 11 lançamentos, quatro deles tripulados, para transportar mais dois módulos para o Tiangong, que pesarão um total de cerca de 70 toneladas.

De acordo com a agência de notícias estatal "Xinhua", a estação espacial orbitará a Terra a uma altitude entre 340 e 450 quilômetros, e está projetada para durar cerca de dez anos, embora os especialistas estejam confiantes de que com manutenção adequada ela pode durar mais de 15 anos.

A China realizou até agora seis missões espaciais tripuladas, a última entre outubro e novembro de 2016 com dois astronautas a bordo da cápsula Shenzhou-11, que conduziram uma série de experiências durante um mês no laboratório orbital Tiangong-2.