EFETeerã

O governo do Irã pediu nesta quinta-feira permissão do líder supremo do país, Ali Khamenei, para gastar US$ 1 bilhão na luta contra o novo coronavírus, que já matou 2.234 das mais de 29 mil pessoas infectadas.

O porta-voz do Ministério da Saúde, Kianush Yahanpur, informou que o contágio de outras 2.389 pessoas foi confirmado, das quais 157 morreram, semelhantes aos números do dia anterior.

Segundo dados do Ministério da Saúde, desde que os primeiros casos foram diagnosticados há cinco semanas, 10.457 pacientes também se recuperaram.

As autoridades iranianas afirmam ter a situação relativamente controlada, mas temem uma segunda onda da doença e seu efeito sobre a economia prejudicada, que tem reservas que permitam oferecer grandes pacotes de ajuda à população.

Por esse motivo, o presidente Hassan Rohani anunciou hoje que solicitou a retirada de US$ 1 bilhão do Fundo Nacional de Desenvolvimento para apoiar o setor de saúde e empresas com problemas econômicos e as famílias menos favorecidas.

O governo aguarda a aprovação do líder supremo: "Esperamos que ele aceite. Precisamos desse orçamento para equipar os hospitais", acrescentou Rohani.

O Irã está sob fortes sanções por parte dos Estados Unidos que impedem seu acesso a medicamentos e equipamentos médicos, por isso Teerã pediu a Washington que acabe com essa política de pressão máxima para melhorar a luta contra o coronavírus.