EFELima

O esquerdista Pedro Castillo continua liderando a apuração das eleições presidenciais do Peru, com uma vantagem de 71.441 votos sobre sua rival Keiko Fujimori, quando faltam apenas 0,97% dos votos a serem apurados.

Divulgado nesta quinta-feira, o último relatório do Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE) indica que Castillo recebeu 50,204% dos votos (8.791.778 sufrágios válidos), enquanto a conservadora Fujimori obteve 49,796% (8.663.684).

Com este resultado é praticamente impossível para Fujimori conseguir uma virada, a não ser por uma anomalia estatística.

O último 1% dos votos contabilizados permitiu a Fujimori diminuir a vantagem em apenas 323 votos, e não há nada que sugira que as 751 atas que faltam para serem contadas contenham resultados diferentes.

Esses números são apresentados antes que os diversos Júris Eleitorais Especiais (JEE) das regiões peruanas comecem a analisar 802 atas (aproximadamente 200.000 votos) que a candidata Fujimori pediu formalmente para serem anuladas e que pertencem a áreas que apóiam Castillo de forma esmagadora.

Fujimori e seu partido Força Popular denunciaram a existência de aparentes irregularidades nestas atas para retirá-las da contagem.

Entre elas, apontam a suposta falsificação de assinaturas de conselheiros em 503 atas, que representam 125 mil votos, e a falsificação de resultados em outras 132, onde não foram registrados votos a favor de Fujimori.

Além disso, relatam 65 casos em que as mesas de voto foram compostas por familiares, o que não é permitido por lei.

Nenhuma dessas denúncias, no entanto, permite a anulação do voto de 200.000 peruanos, uma vez que este caso só é permitido para as atas nas quais se demonstre com segurança que foram preenchidas por meio de violência, suborno ou ameaças.