EFEWashington

O comitê de assessores da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) rechaçou nesta sexta-feira o plano de aplicação de uma dose de reforço da vacina da Pfizer contra a covid-19, como desejado pelo governo do presidente Joe Biden.

Em votação, 16 membros do comitê se mostraram contra o plano, e três a favor.

A Pfizer havia solicitado aprovação para a terceira dose para pessoas acima de 16 anos de idade, que seria administrada seis meses após a segunda.

Após uma longa deliberação, que durou várias horas, o painel considerou insuficientes os dados fornecidos pela empresa farmacêutica sobre a relevância da terceira dose para a maioria da população.

"Esta é uma grande decisão, não entendo porque temos que nos apressar. Não entendo porque não podemos passar mais tempo olhando para os dados", declarou o Dr. Paul Offit, do Centro de Educação de Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia, durante o debate.

Os especialistas da FDA estavam mais abertos à recomendação do plano de reforço para grupos vulneráveis, como pessoas com mais de 60 ou 65 anos, mas não tomaram uma decisão firme, por isso a discussão continua.

A decisão da FDA é um golpe para o governo de Biden, que começou a fazer planos para administrar a terceira dose a partir deste mês. O voto do painel de assessores da FDA é não vinculativo, mas geralmente é respeitado pela agência.