EFEMadri

A Comunidade de Madri, que inclui a capital da Espanha, de mesmo nome, ficará fechada para entradas e saídas de 4 a 14 de dezembro, como medida para tentar conter a propagação do novo coronavírus no território.

O período em que a restrição vigorará compreende o feriado da Constituição, no primeiro fim de semana do próximo mês.

Esse é o segundo feriado, depois do dia de Todos os Santos, no início de novembro, que é alvo de medida para tentar reduzir o contágio pelo patógeno que provoca a Covid-19. No entanto, na vez anterior, foram cinco dias de limitação de movimentação.

Segundo o vice-conselheiro de Saúde Pública do governo regional de Madri, Antonio Zapatero, a medida visa fazer a curva de casos cair, já que nos últimos 14 dias, a incidência acumulada foi de 297 casos por cada 100 mil habitantes, número considerado alarmante.

Na Comunidade de Madri, atualmente, há 2.266 pacientes internados, sendo que 385 estão em UTIs. Os dois indicadores, no entanto, estão em queda, de acordo com os números oficiais.

Além do feriado do Dia da Constituição, em 6 de dezembro, dois dias depois acontece a festa pelo Dia da Imaculada Conceição, celebração católica.

Até hoje, o governo regional de Madri havia rejeitado um fechamento de perímetro tão longo e a postura levou, no mês passado, a um confronto político com o governo da Espanha, que defendeu esta medida quando a acontecia o auge da segunda onda.

Além da comunidade que engloba a capital, outras decretaram o fechamento perimetral durante o feriado do fim de semana, em meio a uma ligeira queda nos indicadores ligados à Covid-19 no país.

Segundo o Ministério da Saúde nacional, atualmente, a incidência acumulada na Espanha é de 436,27 casos de infecção por cada 100 mil habitantes.